Sinto vergonha do meu corpo

Sinto vergonha do meu corpo

02/01/2020 0 Por Jaqueline Reis

SPOILER: Não é sobre aquela barriguinha saliente que a gente tem e reclama de vez em quando nem sobre uma celulite que apareceu no braço fofinho. Este texto é sobre sofrimento e ódio pelo corpo que tem – causados por transtornos alimentares ou de imagem.

Com certeza você conhece pelo menos uma pessoa que está SEMPRE se achando gorda, sempre fazendo dietas malucas, descontando sentimentos na comida ou que tenha comportamentos estranhos (como forçar o vômito) para se livrar da culpa de comer muito. Ou talvez você seja essa pessoa.

Mas de quem é a culpa? Numa época em que se fala tanto em saúde, exercício físico, autocuidado, é chocante perceber que a mídia e as redes sociais ditem os padrões colocando em risco a autoestima.

Especialistas estimam que 30% das mulheres apresentam sofrimento com a aparência. Uma das causas é a influência da sociedade (o famoso “padrão”).

FALTA FORÇA DE VONTADE?

“Mas você é tão bonita…”, “Isso é frescura”, “Quer chamar atenção?” Essas são as frases mais ouvidas porque boa parte da população culpa a própria pessoa que sofre de anorexia, bulimia, transtorno de pica ou algum outro.

O que precisa ficar claro é que são distúrbios, precisam ser tratados e não tem nada a ver com “força de vontade”. Esses transtornos podem fazer você odiar seu corpo, se mutilar, ter vergonha de sair de casa.

Trabalhar ou namorar – que são movimentos normais da vida – podem ser muito difíceis para quem tem problemas com a comida.

LEIA TAMBÉM:

–> A DITADURA DA BELEZA E A REVOLUÇÃO INTERNA

–> AUTOCUIDADO: TEMPO PARA SE AMAR

Eu não sofro com transtornos alimentares ou de imagem, mas – como disse no início – já vi de perto as consequências de odiar o corpo. O último livro que li em 2019 foi exatamente sobre esse tema: “Fazendo as pazes com o corpo”. Nele a jornalista Daiana Garbin revela a torturante relação com a comida e o corpo.

A primeira vez que ela se sentiu fora do padrão foi aos 5 anos. Aos 8 se comparava o tempo todo com as amigas magrinhas. Aos 12 experimentou a sensação de ser rejeitada porque era “gordinha”. Na pré-adolescência se apoiou na promessa de que o corpo mudaria quando virasse “mocinha”.

Remédios para emagrecer, cirurgias plásticas, relacionamentos amorosos fracassados, alimentação ruim, ginástica em excesso e… depressão.

Ler sobre a jornada dela foi muito esclarecedor. Um transtorno alimentar vem acompanhado de insegurança e cada dia corrói um pouco da autoconfiança.

Por causa dessa cruel pressão para ser bonita e aceita, o número de mulheres que adoece só aumenta. É raro encontrar uma que não se sinta de alguma forma afetada pela ditadura da magreza, da beleza e da juventude eterna.

Tem uma frase que gosto muito e sempre vejo no instagram: “TODO MUNDO TEM UM CORPO DE VERÃO”. Antes que você pense que eu estou condenando a academia ou a dieta, explico essa frase é sobre aceitação.

Há uns 10 anos meu sonho era engordar porque sempre fui muito mais magra que as outras meninas da minha idade e foi nesse período que aprendi a aceitar o meu corpo. (Sim, pessoas muito magras podem não gostar do corpo também) Autoestima é tudo!

ACEITE O SEU CORPO

Isso me fez lembrar de um filme que encontrei na Netflix, “O mínimo para viver”. Conta a história de uma menina com anorexia que resolve dar uma chance para a vida e passa por um processo de autoconhecimento para enfrentar a doença. É um filme bem forte!

Eu sugiro também um filme bem leve e cômico sobre o assunto. “Dumplin”. A protagonista é filha de uma ex-miss e decide revolucionar um concurso de beleza cheio de “padrões”.

A atriz Ellora Haonne contou nesse vídeo aqui embaixo sobre como a busca para ser perfeita a impediu de se olhar no espelho e até de comprar um biquíni.

Cure-se! Procure ajuda médica! Faça terapia!

Agora eu te convido a fazer um “detox” nas suas redes sociais. O que acha de dar unfollow em todos os perfis que te fazem sentir vergonha do seu corpo?

É natural querer um corpo que te agrade e criar hábitos mais saudáveis. O que não é natural é deixar que a pressão social (o padrão) te faça sofrer – e às vezes leva a pensamentos suicidas.

Vou deixar aqui alguns arrobas legais pra você acompanhar 😉

Alexandra Gurgel –> @alexandrismos

Style Like You –> @stylelikeu

Garotas Fora do Padrão –> @garotasfdp